SBT: Mel Lisboa fica “De frente com Gabi”

junho 15, 2014

image004

A atriz Mel Lisboa é a entrevistada do programa “De frente com Gabi” deste domingo, no SBT. Em cartaz no musical “Rita Lee mora ao lado”, no teatro das Artes, em São Paulo, Mel encarna a própria diva do rock nacional nos palcos. Para isso, encarou meses de preparação – que vão bem além da mudança na cor do cabelo. “Chegava em casa chorando e me descabelando por achar que eu não ia conseguir fazer”, desabafa ela para Marília Gabriela. “Tive que fazer um mergulho intenso e um estudo profundo. Foi uma revolução na minha vida para parar e viver a Rita Lee vinte e quatro horas por dia”, explica.

Mel também fala sobre a formação de sua família – ela já é mãe de dois filhos – e a respeito da carreira, que começou com a marcante Anita da minissérie “Presença de Anita”, na TV Globo, passou por momentos turbulentos na Rede Record, e hoje está totalmente voltada para os palcos. “Por mim eu fico anos em cartaz com essa peça, feliz da vida”, diz ela. “Fazer uma novela, que é uma obra aberta, eu ainda não domino muito”, finaliza.

De frente com Gabi
SBT, domingo, à meia-noite


Mais Teatro, Brasil: Quanto mais união, melhor

abril 26, 2010


Entre as manifestações culturais, o teatro é uma das mais democráticas. Apesar de hoje termos peças a preços muito além do potencial financeiro de muitos brasileiros, sempre há uma companhia oferecendo espetáculos e preços populares ou mesmo gratuitamente. Na escola, muita gente teve acesso à educação artística com encenação de pequenas peças. Até psicólogos podem fazer uso do teatro para incentivar os mais tímidos a se soltarem e até encontrarem um nova vocação.

Por gostar tanto desta arte, topei na hora participar da blogagem coletiva do “Mais Teatro, Brasil” a convite da queridíssima Sam Shiraishi e que reune diversos blogueiro em prol de um bem maior. Aliás, é nisso que acredito: as grandes mudanças culturais e artísticas no Brasil sempre estiveram ligadas à movimentação da massa. Logo, não é clichê dizer que a união faz a força e quanto mais juntos, melhor.

Para também apoiar a campanha, que visa divulgar a importância do teatro no País – afinal, ainda há muitas cidades que não têm sequer uma sala para apresentação ou um palco profissional – pode se informar sobre a blogagem no blog da Sam ou acessar o site com mais explicações.

O Máquina dá a maior força… e você?

Informações:
Mais Teatro, Brasil!
www.maisteatrobrasil.org


GORDA: Comédia dramática para gordos ou magros?

abril 19, 2010


Fugindo um pouco do assunto principal do blog, que é a TV aberta e fechada (brasileira e internacional), quero compartilhar minha ida à peça GORDA. O espetáculo, que foi sucesso no Rio, fica em cartaz até 02 de maio. No elenco, o grande nome (sem trocadilhos) é  Fabiana Karla, que vive uma gordinha feliz e bem-resolvida – um tipo de personagem difícil de encontrar, seja na TV, no cinema ou no teatro.

Apesar de ter apenas 4 pessonagens, todas as situações constrangedoras as quais passam as pessoas obesas estão lá. O que me chamou a atenção foi o fato de que, em 100% das piadas, a personagem Helena não estava em cena. Pelo contrário: na frente dela, os amigos de Tony (Michel Bercovitch), que namora a gordinha, se mostram meio envergonhados e tentam ser educados, mesmo tendo usado xingamentos como “porca gorda” por trás. Joana (Flávia Rubim), ex-ficante de Tony, não se conforma por ter sido trocada por uma mulher com 30 quilos a mais que ela. Já o colega de trabalho Caco (Mouhamed Harchouf) é o típico babaca que prega o corpo perfeito, que em um dos melhores momentos da história, mostra sua fragilidade ao lembrar da “vergonha” que sentia da mãe de 170 quilos.

Apesar do texto bem conduzido, confesso que saí do teatro sem saber se a peça foi feita para dar uma lição nos preconceituosos, do tipo “não zombe porque ser diferente é normal”, ou se é mesmo escrita para gordinhos se identificarem. Não vou contar o final, mas adianto que não é feliz e acaba desconstruindo a imagem de bem-resolvida da protagonista. Se eu tivesse 16 anos, talvez saísse chorando e ficaria com medo de tentar me relacionar com qualquer homem magro. Aos 29, deixei a sala (com bancos muito estreitos, por sinal) sem entender onde a peça quer chegar, mas sem traumas nem dramas.

Teatro Procópio Ferreira
Endereço: Rua Augusta, 2.823 – Cerqueira César – São Paulo, SP
Telefone: 11 3083.4475
Site: http://www.teatroprocopioferreira.com.br/
http://gorda-a-peca.blogspot.com/